Viagem e Turismo

Vai um cafezinho?

Por Administrador em 5 de outubro de 2010

É impossível fazer uma viagem sem incluir um cafezinho no roteiro. A cena é clássica: diariamente, dezenas de turistas sentam na Piazza Navona, em Roma, para apreciar um dos cenários turísticos mais clássicos da Itália enquanto saboreiam o típico café italiano. O hábito do cafezinho é tão difundido no Brasil e no mundo que novos espaços de degustação se espalham pelas grandes metrópoles. Os ambientes, antes restritos ao café e à leitura, ganham diferenciais ao redor do mundo atraindo públicos diferenciados, afoitos por novidades e entretenimento cultural. Piazza Navona Um bom exemplo são os bike cafés: típicos da Dinamarca, que já ocupou o posto de capital mundial das bicicletas, os cafés com bicicleta agora são a nova febre em Londres. Os espaços foram projetados para receber os ciclistas unindo o hábito de pedalar ao prazer de degustar um bom café. Dá pra “estacionar” a bike no bicicletário ou simplesmente sentar-se à mesa com ela ao lado, fazer pequenos reparos na oficina do próprio local, participar de workshops ou assistir filmes. Vai pra Londres? Anote os nomes de alguns dos bike cafés mais famosos da estação: Look Mum No Hands, Container Cafe e Rapha Cycle Club. london-bike-cafes2.jpg Quem gosta de moda ou grifes não pode deixar de conhecer o Café Marc Jacobs. O espaço, que leva a assinatura de um dos estilistas mais famosos da atualidade, fica junto à loja de Marc Jacobs na Piazza Del Carmine (Milão). O café-bar tem 300 m2 e traz, além de cafés e drinks, acessórios e peças de moda da linha do estilista. A decoração impecável e moderna traz muitas cores, neon e texturas, num projeto arquitetônico assinado por Stephan Jaklitsch – arquiteto nova-iorquino que já tem outros trabalhos com Marc Jacobs no portfólio. Mais perto, na nossa vizinha Argentina, o café é acompanhado de uma das delícias mais famosas do país portenho: a medialuna. Com recheios variados, doces ou salgados, a massa em formato de meia-lua (daí vem o nome) é servida em praticamente todos os cafés da capital Buenos Aires. Túlio Bragança, brasileiro que morou em Buenos Aires por 4 anos, conta que existem dois tipos de medialunas: manteca e grasa (manteiga e gordura). A de manteiga é mais leve, tem textura mais suave. “Tem até uma rede especializada em medialunas, com várias filiais em Buenos Aires, a Medialunas Del Abuelo. Mas a melhor de grasa dizem que está na Panaderia dos Escudos, que fica em Palermo”, explica Túlio. deville_medialuna.jpg “A melhor medialuna de manteiga é no El Galeón, na Avenida Santa Fé com a Gurruchaga”. Ele também dá a dica para os turistas escolherem as melhores medialunas: “Para saber se uma medialuna de grasa está boa, você tem que reparar se ela está clarinha, açucarada por fora e se ela rasga facilmente. Não tem erro: elas não podem estar duras ou queimadas, tem que ser crocantes e se desfazer na boca”, finaliza Túlio. Londres, Itália, Argentina, não importa o destino: provar cafés ao redor do mundo ainda é um dos programas turísticos clássicos e indispensáveis.




Veja também

Qual melhor forma de realizar uma apresentação para clientes?

4 vinícolas para visitar na serra catarinense

Reserva online