A cada ano, mais de cinco milhões de pessoas, entre brasileiros e estrangeiros, viajam pelo Brasil em busca de emoção. O turismo de aventura não para de crescer. Os dados são da Associação Brasileira de Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta) e do Ministério do Turismo. A Organização Mundial do Turismo (OMT) aponta que esse tipo de viagem cresce entre 15% e 25% a cada ano. Com o dólar mais valorizado frente ao real, a expectativa é que mais estrangeiros cheguem ao país com esse objetivo. No começo deste ano, uma pesquisa elaborada pela empresa internacional de consultoria BAV apontou que o Brasil é o país ideal para a prática do turismo de aventura. A extensão territorial e a diversidade natural e geográfica do país favorecem a prática de diferentes modalidades turísticas de aventura. Há diferentes intensidades e tipos de atividades turísticas de aventura, para pessoas de todas as idades e tipos físicos. Em comum a todas elas está a necessidade de se preparar, com orientações de especialistas e equipamentos adequados para garantir a segurança. O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) tem uma série de recomendações que devem ser seguidas para evitar incidentes no turismo de aventura. A orientação do Ministério do Turismo é procurar sempre por guias credenciados.

Turismo de aventura em todo o Brasil

É possível praticar diferentes atividades turísticas de aventura em todas as regiões do Brasil. Quem se hospeda no Hotel Deville Prime Campo Grande, por exemplo, pode conhecer a região do Inferninho, local em que fica uma usina hidrelétrica desativada e belas quedas d’água, onde é possível chegar a partir de uma trilha. Outra opção é a caminhada pela Estrada Parque de Piraputanga, passando pela Serra de Maracaju. O guia turístico Nilson Lopes da Silva, da empresa Sopa de Pedra, explica que os passeios devem ser feitos com acompanhamento de especialista para minimizar o risco de acidentes. Trabalhando com turismo de aventura na capital sul-mato-grossense desde 2008, ele conta que seus clientes nunca tiveram problemas graves, apenas poucos casos de escorregões e torções leves. “Para não ter riscos, o guia de turismo de aventura deve se adequar às normas e tomar muito cuidado. O número de participantes de cada passeio é limitado, e devemos ter atenção a todos os locais aonde vamos”, explica. Nilson lembra que a prática de atividades turísticas de aventura requer preparação. Por isso, os participantes devem estar atentos às dicas dos guias em relação a roupas, demarcações de locais de riscos e dificuldades que serão encaradas em cada passeio. “No nosso caso, fazemos três roteiros dentro da própria cidade de Campo Grande, a cerca de 15 quilômetros do centro. As caminhadas podem durar de três a quatro horas, por isso é preciso estar bem preparado”, explica. Confira abaixo locais onde é possível praticar turismo de aventura perto de alguns dos hotéis da Rede Deville. Hospede-se conosco para garantir conforto e tranquilidade antes e depois de suas aventuras!

  • Salvador (BA) – Reserva de Sapiranga (caminhadas, trilhas, quadriciclo, canoagem);
  • Cuiabá (MT) – Chapada dos Guimarães (cavernas, caminhadas, trilhas, cachoeiras, arvorismo, tirolesa);
  • Porto Alegre (RS) – Parque Estadual de Itapuã, em Viamão (trilhas, trekkings);
  • Curitiba (PR) – Parque Estadual do Marumbi (caminhada, trekkings, escalada);
  • Guaíra (PR) – Parque Nacional da Ilha Grande (trilhas, passeios de barco, atividades aquáticas).



Veja também

5 diferenciais dos Hotéis Deville para quem curte praticar atividades físicas

6 dicas para tirar fotos em pontos turísticos

Reserva online