Os pets se tornaram companheiros inseparáveis em viagens nacionais e internacionais. Por isso, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) criou uma novidade: o passaporte para cães e gatos. A ideia é que esse documento facilite o transporte dos animais no país e no mundo. Uma estimativa do Mapa aponta que o trânsito internacional de cães e gatos corresponde a 0,1% de todo o trânsito anual internacional de passageiros. Os principais destinos são os Estados Unidos (53%), países da União Europeia (16%) e do Mercosul (14%). Já dos animais que vêm de fora, 43% são provenientes dos EUA, 22% da UE e 15% do Mercosul. Como fazer? O Mapa indica que os donos de animais de estimação devem solicitar o passaporte, gratuito, nas unidades do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro). Deve-se apresentar atestado de saúde e a carteira de vacinação. Além disso, o cão ou gato deve ter o microchip de identificação, exigido pelos países da União Europeia. Antes do embarque, o Ministério da Agricultura exige que o dono do animal solicite a um médico veterinário que as informações sanitárias sejam registradas no documento, como dados de vacinação, tratamentos, exames laboratoriais e análises exigidas pelo país de destino. Essas informações devem ser legalizadas em uma unidade do Vigiagro. Fique atento! Entretanto, nem todos os destinos aceitam esse método de identificação. Verifique antes e, caso seja necessário, peça a emissão do Certificado Veterinário Internacional, que costuma ser mais demorado. O passaporte é entregue em 30 dias e é válido por toda a vida do animal.




Veja também

5 sites para encontrar histórias incríveis de viagem

Viagens curtas de carro são opção durante a pandemia

Reserva online