Nesta edição da série sobre países com culturas diferentes, o local escolhido pelo Blog foi o Marrocos. E quem fala sobre esse lugar exótico e sua riqueza nos mais diversos aspectos é a Daniela Mendes, autora do Blog de Viagem Dicas e Turismo. Ela já visitou o país e conta, de forma interessantíssima, suas experiências. Veja a seguir.

 Deville: Quais são os costumes desse local?

Daniella: Acredito que a cultura do Marrocos ficou muito evidente para mim quando tive a oportunidade de visitar esse país, na comida, nas roupas, na arquitetura e no hábito da negociação.

 A gastronomia marroquina é particular. Sua principal característica é a utilização de especiarias nos alimentos. São temperos marcantes e muitas vezes picantes.  Utilizam muitos legumes e carnes cozidas e o cuscuz e a tajine são os pratos que mais irá ver por lá quando tiver a oportunidade de conhecer esse destino.

 O pão também está presente em todas as refeições, assim como o famoso chá. Esse sim é o símbolo deste lugar. É parte do ritual de acolhimento dos marroquinos receberem seus convidados com um delicioso chá. Quase sempre é de hortelã. Mas a maior parte daqueles que eu experimentei parecia apenas o bom e velho chá inglês – para minha sorte, pois não curto muito hortelã!

 As roupas também evidenciam a cultura. Ao caminhar pelas ruas de Marrakesh ou mesmo outras cidades do Marrocos, irá notar que muitos marroquinos utilizam túnicas e as mulheres, além delas, véus.

 Essas túnicas possuem muito significado. Nosso guia, que nos acompanhou até o deserto do Saara durante o percurso, nos disse que em alguns povoados as cores das túnicas mostram se uma mulher é solteira ou casada. Assim como as túnicas azuis turquesas eram as grandes representantes do povo Berbere, considerado o povo nativo do Norte da África.

 A arquitetura do Marrocos

 A arquitetura é também outro grande exemplo dessa cultura. As mesquitas são lugares onde poderá ver melhor os detalhes de uma construção marroquina. Aliás, a arquitetura marroquina, assim como outros aspectos culturais, sofreu grande influência dos árabes. Grandes exemplares dessa arquitetura, sugestões para você visitar são a Mesquita Koutoubia, Palacio Bahia e o Hotel La Mamounia em Marrakesh. E se tiver a oportunidade de fazer um passeio até o Saara, adiciono aqui como exemplo de arquitetura Taourirt Kasbah, o antigo entreposto comercial de Ouazazate.

 Por fim, o que definitivamente foi mais marcante para mim foram os hábitos de negociação. Podem facilmente passar de uma brincadeira e representação da cultura para algo desagradável, incômodo e insistente. Eles negociam tudo! Minha dica é: se não for comprar, não fique olhando muito as mercadorias. Eles esperam apenas por um rápido olhar da sua parte para iniciar a abordagem e oferta de seus produtos.

 Deville: Teve alguma situação curiosa que você viveu em relação à cultura local ou à forma como o país funciona?

 Daniella: Aproveitando a questão da negociação, acho que seria interessante contar sobre uma situação que aconteceu durante essa viagem. Ela não foi muito engraçada quando ocorreu, mas acho que vale contar.

 Meu marido e eu estávamos procurando por um dos lugares para visitar, quando um garoto notou que estávamos perdidos e indicou o caminho. Como esse atrativo tinha acabado de fechar, ele nos indicou visitar uma feira que estava acontecendo na cidade.

 Incrivelmente existia um amigo dele, que passava ali naquele momento, que ia na mesma direção e nos guiou até lá. Cada vez mais nos distanciávamos do centro de Marrakesh.

 A visita consistia no tour informal a um curtume, guiado por um senhor que trabalhava ali, finalizado com uma visita à loja que produzia produtos com couros. A parte desagradável começou aqui. O dono insistia de forma desagradável para que comprássemos qualquer coisa. E quando decididamente dissemos que não, praticamente nos enxotou de sua loja. O guia inicial nos abordou assim que saímos, cobrando o preço estipulado do tour que desde o início não havia sido mencionado.

 Sinceramente, não gostamos muito dessa situação. Mas hoje é uma excelente história para contar e dar risadas.

 Deville: O que é diferente no Marrocos?

 Daniella: Diferente mesmo é o fato de comerem com as mãos. Quando estão em seus ambientes domésticos, possuem o costume de comer, principalmente o cuscuz, com as mãos. Eles utilizam como apoio o polegar e os três dedos seguintes.

 O ritmo de vida de Marrakesh, o lugar que mais visitamos, também é algo diferente. É frenético e ao mesmo tempo antigo. A praça Jemaa El Fnaa é a maior representante desse cenário. À noite são montadas barracas de comida na praça, além de pessoas que passeiam com macacos para tirar fotos com turistas ou encantadores de cobras.

 Outro lugar lindo, diferente e misterioso é o deserto do Saara. Existem empresas que realizam tours até o deserto com duração aproximada de três dias. Nós tivemos a sorte de realizá-lo ao lado de um rapaz berbere, dono da empresa que contratamos, SahaTours, que nos explicou muitas coisas sobre o Marrocos. Recomendo esse passeio.

 Deville: Quais são suas dicas para quem deseja visitar o Marrocos?

 Daniella: Minhas dicas são:

–          Reserve alguns dias para fazer o tour até o Saara. É uma das mais importantes partes desse país.

–          Prove o cuscuz, a tajine marroquina e o famoso chá.

–          Entre na brincadeira da negociação apenas se você realmente quiser comprar algo.

–        Se estiver caminhando pela Jemaa el Fnaa, fique atento a seus pertences. Não nos aconteceu nada, mas existem pontos bem movimentados na Medina e vale a pena ser mais precavido.

–          Fique atento às feiras que acontecem “1 vez por semana”. Podem ser apenas ciladas para você comprar algo nas lojinhas.

–          Se quiser se aventurar pela Medina, tente não sair muito do centro e tenha sempre um mapa em mãos para não se perder.

–          Se tiver bastante tempo, monte um roteiro para conhecer outras cidades como Essaouira, Rabat, Casablanca, Fez e outros. Nós tivemos tempo apenas de conhecer Marrakesh e uma das pontas do Saara. Mas tenho certeza de que vale incluir outros lugares desse país encantador, misterioso e, às vezes, complicado de entender.

 Algumas das histórias da viagem de Daniella já estão no seu blog. Quem quiser mais informações e dicas sobre esse destino, onde se hospedar ou até os detalhes do tour até o Saara, em Merzouga, acesse o Blog Dicas e Turismo.




Veja também

5 sites para encontrar histórias incríveis de viagem

Viagens curtas de carro são opção durante a pandemia

Reserva online