Quando a jornalista Izabella Bellenda pisou pela primeira vez em Nova York, suas expectativas e a dificuldade para se virar em um novo país batiam de frente. O ditado “dream big or go home”, mantra de quem chega à Manhattan, ressoava em sua memória. O mesmo aconteceu com a arquiteta Mariana Kulisch ao chegar à cidade americana. A enorme quantidade de turistas, o movimento nos estabelecimentos e a loucura do trânsito nova-iorquino incomodavam. O metrô se tornou o seu aliado em uma rotina agitada – trabalho, aula, academia. Do outro lado do Atlântico, em Londres, Gabriela Mazepa está perto de completar um ano como moradora da capital inglesa. A língua e o clima foram os maiores obstáculos por lá. Por aqui, o trânsito complicado e as proporções de São Paulo impressionam Andrea Tissenbaum, que já mora na capital há 10 anos. Viver em grandes metrópoles pode ser uma tarefa complicada, como Izabella, Mariana, Andrea e Gabriela constataram. Mas e quem disse que elas deixariam de bom grado as grandes capitais? Para Izabella, voltar nunca foi uma opção. Logo o seu bairro, Williamsburg, a conquistou: a diversidade e a harmonia da região são apaixonantes. Izabella se diverte com a possibilidade de ver suas maiores inspirações bem de perto: “A sensação de ver uma das suas bandas favoritas tocar a uma quadra da sua casa e ouvir o vocalista compartilhar o mesmo sentimento que você, se declarando durante o show sobre o tempo que morou lá, não tem preço”. O espírito cosmopolita e acolhedor de Nova York também conquistou Mariana. “Minhas melhores amigas na faculdade são indiana e belga”, conta. Mas o charme da cidade não se resume em tão poucas palavras: “Também amo a quantidade de exposições que sempre acontecem, museus, galerias, shows, peças de teatro, restaurantes badalados, nights novas e tudo isso que mantém essa cidade em constante renovação”. As mesmas vantagens estão em Londres. Gabriela Mazepa dá a dica para quem vai visitar a metrópole pela primeira vez: “Aproveite muito a variedade de opções relativas à arte e à cultura que Londres tem a oferecer: não fique muito em casa! Tem muitas coisas acontecendo sempre”. Gabriela também comemora a possibilidade de estar em contato com várias culturas, e conta nos dedos os conhecidos nativos, “Devo conhecer uns 10 londrinos no máximo… o resto das muitas pessoas que conheço vêm dos países mais diversos!”. Para Andrea Tissenbaum, a heterogeneidade e o movimento constante também são grandes vantagens de São Paulo. Mas, de acordo com ela, a capital sabe ser diversificada sem perder a brasilidade. “É uma metrópole brasileira. Não é cosmopolita”, conta Andrea, e completa, “Aqui todos falam português e a cultura que prevalece não é a internacional; o feijão com arroz ainda é o prato favorito de todos e o pastel com água de coco é o grande barato de finais de semana nas feiras livres”. E a capital ainda oferece um plus aos moradores: “São Paulo, sem sombra de dúvida, oferece aos que querem trabalhar muitas possibilidades”. Morar em uma metrópole é transitar constantemente entre o pior e o melhor dela. Mas, no final das contas, é o amor que prevalece. Andrea tem certeza que São Paulo tem algo a mais: “Essa cidade deve ter algum borogodó, uma mágica que faz com que a gente se encante com a cidade e precise dela, não consiga viver longe do que ela oferece no cotidiano”. O mesmo sente Izabella em relação à Nova York, “Hoje, aqui no Brasil, eu digo que sim, a cidade é difícil mesmo, mas ao mesmo tempo eu tenho que dizer que Nova York é demais, porque é fácil se apaixonar”. Voltar? Claro: “Voltei para o Brasil faz dois meses e tenho uma passagem marcada para aterrissar no JFK novamente daqui um mês. Acho que isso explica muita coisa”. Já Mariana ficou com uma impressão um pouquinho diferente da cidade americana. “A sensação que eu tenho é que as pessoas vêm para Nova York para tentar fazer a vida, trabalhar muito, buscar o sucesso e depois ir embora”, conta, ressaltando um lado mais curioso da cidade: “Tenho a impressão que as pessoas estão de passagem por aqui”.




Veja também

5 sites para encontrar histórias incríveis de viagem

Viagens curtas de carro são opção durante a pandemia

Reserva online