Gastronomia

Os melhores temperos

Por Administrador em 31 de outubro de 2012

A vovó pode até contar a receita para a família, mas o resultado nunca será o mesmo – temperos são assim, mágicos. Não é à toa que os bons chefs guardam seus segredos a sete chaves. As especiarias realçam o sabor do prato, acentuam os aromas e instigam o paladar de quem experimenta com toques sutis, sem desmerecer o sabor do alimento. O truque é acrescentar pequenas quantidades e, aos poucos, chegar ao sabor ideal, sempre combinando alimentos fortes com temperos marcantes e temperos suaves com produtos delicados. Confira as melhores combinações e conheça os sabores dos temperos mais usados na culinária: Alecrim: Seu aroma fresco remete ao pinho e enriquece o sabor de aves, molhos, frutos do mar, carnes de cordeiro, porco, cabrito, patês, berinjela, batatas, couve-flor, pães, sucos e saladas de frutas. Ótimo no churrasco quando salpicado sobre o carvão. Acredita-se que ele estimula a circulação sanguínea, o funcionamento da bílis e a digestão. Coentro: O grão é usado em ponches, picles, doces e no café. Moído, é usado no tempero de peixes, carnes, aves, assados ou grelhados, molhos, sopas de feijão, lentilhas, legumes, moquecas e caldeiradas de frutos do mar. Erva Doce: Realça sabores doces e salgados, pode ser usada no preparo de biscoitos, bolos, pães, queijos, molhos para saladas, frutas em calda, peixes, frutos do mar e massas. Estragão e sálvia: Ambos têm sabores marcantes, ideais para saladas verdes, peixes, frutos do mar, pratos com ovos, frangos e carnes. Servem para aromatizar vinagres, salsichas, queijos, pães, pickles, molho tártaro de mostarda e maionese. A sálvia é indicada também para sopas, cremes, molhos de tomate, massas com manteiga, batatas, biscoitos e chás. Orégano e manjericão: As estrelas da culinária italiana são ideais para receitas com tomate, pizzas, queijo parmesão, recheios e molhos para carnes, peixes e saladas de frutos do mar. O orégano vai bem com cebolas, aves, vegetais refogados e ovos, já o manjericão combina com saladas e legumes, arroz cozido com caldos, massas e berinjela. Salsinha: Não é o principal tempero da cozinha à toa, a salsa realça o sabor muitos pratos: de canapés, sopas, saladas verdes, molhos de iogurte ou ervas, pães, tomates, omeletes, manteiga temperada, grelhados e massas. A sabedoria popular diz que estimula o apetite, combate a anemia, o reumatismo e doenças infecciosas. Tomilho: Aromático e levemente picante, deve ser usado com cautela. Tempera carnes, peixes, aves, macarrão com legumes, pratos com tomate e queijos. Para ter temperos sempre frescos e de boa qualidade a mão, é possível cultivá-los em casa. Não é necessário ter um quintal ou muito espaço, basta encontrar um vaso ou jardineira de plástico ou de barro, terra e mudas de ervas de boa procedência. As espécies que melhor se adaptam ao canteiro são o alecrim, manjericão, estragão, camomila, capuchinha, cebolinha, erva cidreira, hortelã, orégano, pimenta-dedo-de-moça, salsinha e sálvia. Os cuidados são simples: coloque o vaso em um local bem iluminado e mantenha regas regulares, sem jamais encharcar a terra. Esporadicamente, retire folhas velhas, amareladas e secas e adube a terra e, se surgir alguma praga, use inseticidas naturais, como calda de fumo ou de sabão.




Veja também

Por que tirar um ano sabático? Veja 5 motivos!

Como fazer check-in online?

Reserva online