Para prevenir acidentes de trabalho, aumentar a motivação e integração das equipes, promover o crescimento na produtividade e a melhora do bem-estar físico, empresas implantam programas de ginástica laboral durante o expediente de trabalho.

“A ginástica laboral traz para dentro da empresa uma cultura de qualidade de vida de modo geral. Ela vai funcionar como um lembrete diário da necessidade de cuidado com o próprio corpo e do entendimento, por parte do trabalhador, que com uma saúde melhor, ele poderá ter um melhor desempenho profissional”, declara Alessandro Gonçalves, diretor da DPA Soluções em Desenvolvimento Humano, uma empresa especializada em ginástica laboral.

Diariamente, as intervenções da ginástica laboral, um programa de exercício físico aplicado no ambiente profissional, duram de dez a 15 minutos e podem ocorrer uma, duas ou três vezes ao dia, durante as horas de trabalho. Os funcionários não devem chegar mais cedo ou sair mais tarde para participar das atividades, afirma o diretor.

A quantidade de intervalos para realizar a ginástica vai depender também do objetivo por que a empresa implanta a ginástica laboral. De acordo com Alessandro Gonçalves, o programa desenvolvido para cada organização será direcionado para o resultado desejado, além de levar em conta as características do ambiente e das pessoas que irão participar.

“É muito importante quando se propõe um programa, avaliar os funcionários que farão as atividades, os postos onde elas trabalham e as tarefas que realizam no ambiente de trabalho. A partir daí, dá para identificar os grupos e os problemas específicos e, assim, propor determinado trabalho para cada equipe”, diz.

Considerando esses aspectos, poderão ser desenvolvidas com os funcionários três modalidades diferentes de ginástica.

“São três tipos de ginástica laboral, a preparatória, a compensatória e a de relaxamento. A preparatória é indicada para grupos que trabalham em ambientes onde utilizam o esforço físico, como linha de montagem de fábrica. Então, eles fazem a atividade antes de começar a trabalhar. É como se fosse um aquecimento”, explica.

A compensatória é feita no meio do expediente para profissionais que trabalham na mesma postura por longo período, aliviando a sobrecarga do corpo. Já a de relaxamento é realizada ao final do turno, com o intuito de desconectar o trabalhador do ambiente profissional para ter uma boa noite de sono, aliviando o estresse. Essa ginástica é voltada para pessoas que trabalham sob muita pressão, como atendentes de telemarketing.

Mas, para obter o resultado esperado pela empresa, é preciso implantar, junto à ginástica laboral, um programa de sensibilização e conscientização com palestras, envio de e-mail marketing e cartazes. O objetivo é levar conhecimentos relacionados à saúde e qualidade de vida para o trabalhador poder assumir hábitos saudáveis fora do ambiente profissional.

Para contratar uma empresa de ginástica laboral  

Outro aspecto importante ressaltado pelo diretor é que, para um bom resultado, contratar bons profissionais faz a diferença. Segundo ele, os educadores físicos são os mais indicados, pois desenvolvem trabalhos de prevenção e não de reabilitação. Ainda, o contratante precisa estar atento se os contratados possuem registro no conselho e quais são as metodologias utilizadas por eles.




Veja também

Como identificar câmeras ocultas em Airbnb?

Como programar uma viagem de moto?

Reserva online